sábado, 24 de janeiro de 2009

POETA


Estou no "Piolho"
e escrevo
enquanto a TV fala de perseguições a funcionários
também eu, às vezes, me sinto perseguido
mas não por instituições nem por funcionários
por vozes
por pessoas concretas
que entram na minha cabeça
de resto, não sou funcionário de coisa nenhuma
e provavelmente nunca serei
sou apenas o gajo que escreve
o poeta
sim, posso dizer que sou poeta
apesar de ultimamente as relações com as editoras
não serem famosas
e a recessão, dizem
a recessão chegou à edição
e as gajas não param de entrar
quantas mais melhor
pode ser que alguma se sente à minha frente
e comece a falar:
"ah, então és tu o poeta
que costuma ir ao Púcaros,
e que há pouco esteve no Clube Literário?"
Sim, sou eu, sou o homem
àparte isso não sou mais nada
escrevo, digo poemas e sei umas coisas de política
nada mais
tudo o resto me passa ao lado
como o fado
e as teses do Rocha
e lá se foi a gaja que tu até conheces
não a chamaste
chapéu!
Continuas sózinho
e já bebeste o teu copo de vinho
enquanto os outros se empanturram
com francesinhas
se ao menos a Gotucha estivesse aqui
nem os chatos do costume aparecem~
és o poeta
não há dúvida
às vezes até te acham piada
tens a luz, o espírito
mas não és o deus que às vezes te julgas
nem és melhor do que os outros
escreves estes poemas longos
porque te saem
nada mais
não quer dizer que escrevas melhor
do que há 10 anos
apenas escreves mais
estás sempre a escrever
e isso também te ajuda a combater
as depressões
até já te dizem para teres cuidado
com os poemas que recitas
não vás escandalizar a populaça
não és como o Jim Morrison
não és bem como ele
mas herdaste algo de transgressor, de excessivo
as miúdas perguntam-te como vais ser no espectáculo
e tu lá te explicas
não te saem grandes explicações
e desconfias do Obama
achas que o colocaram nos píncaros
e agora a coisa vai doer
esta merda é a doer
e tu sabes que estás do lado da vida
és uma espécie de profeta da liberdade
por estranho e pouco organizado
que possa parecer
dentro de momentos tens a coisa no "Gato Vadio"
e depois ainda vais ao "Púcaros"
é sempre a abrir
ao menos quando estás assim estás activo
não é como quando ficas em casa deprimido
a olhar para as paredes
por muito que leias
por muito que te deixes levar pela leitura
por muito que queiras saber mais
és o poeta
és definitivamente um poeta
ninguém o pode negar
nem os puristas da literatura
nem os versejadores da corte
és um poeta
e, uma vez mais,
vais para o palco
amas o palco
amas que te olhem
que te batam palmas
que te amem
vieste ao mundo para ser
o centro das atenções
vieste ao mundo para ser amado
escreves um bocado à Álvaro de Campos
um Álvaro de Campos beatnick
um Álvaro de Campos no sec. XXI
e não consegues parar
falta-te uma gaja
falta-te definitivamente uma gaja
senão andarás sempre desiquilibrado
senão andarás sempre desorganizado
senão vais continuar a atirar-te contra a parede
convencido de que atravessas para o outro lado
como o Jim
convencido de que aguentas sempre
na estrada da subversão
convencido de que vais cantar a canção
convencido de que tudo está a rolar
como o rock n' roll
e que, na verdade, te afundas.



A. Pedro Ribeiro, 21.1.2009, Porto, Piolho.

3 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

espero não ser uma dessas vozes que te perseguem...

;-)))


CSd

Gala disse...

Gosto da forma como as palavras que escreves chegam a mim. Leio-as com urgência, quase por necessidade.
Que saudade de ir ao Piolho.

apedroribeiro disse...

obrigado, Gala. Não, Cláudia, não me persegues.