quinta-feira, 11 de maio de 2017

A FÉ E O AMOR

Como afirma Ludwig Feuerbach em "A Essência do Cristianismo", tal como a razão, o amor é de natureza livre e universal, enquanto que a fé é de natureza estreita e limitada. Foi a fé, e não o amor, que inventou o inferno. Para a fé, o que os cristãos fizeram de bom não foi obra do homem mas dos cristãos e o que se fez de mau foi da responsabilidade do homem e não do cristão. Como se tem provado ao longo dos séculos, a fé passa muitas vezes a ódio e a perseguições, opondo-se ao poder do amor, da Humanidade, da justiça. Pelo contrário, o amor não conhece outra lei senão ele próprio. É divino por si mesmo. O próprio homem é objecto do amor pelo facto de ser fim em si mesmo, um ser capaz de razão e de amor. "Quem ama o homem pelo homem, quem se eleva ao amor do género, ao amor universal (...), esse é Jesus, o próprio Jesus", conclui Feuerbach.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

UTÓPICO?

Dizem que eu sou utópico. Mas eu já fui a tribunal e à Judiciária por motivos políticos. Foi por causa da queda da estátua do major Mota na Póvoa de Varzim e por causa do blogue "Povoaonline" que acusava o antigo presidente da Câmara da Póvoa, Macedo Vieira, de corrupção. Por isso não sou assim tão utópico. Também sou um homem de acção. E poderia contar outras histórias. Claro que me orgulho de ser um homem de ideias e de ideais.