segunda-feira, 10 de novembro de 2008

MANIFESTO DO POETA


O poeta é o mentor da revolução. O poeta xamãnico, dionisíaco, irracional, iluminado pelos deuses, como dizia Platão, é a vanguarda que acende o rastilho, que choca, que provoca, que age como detonador da revolução. As suas palavras, os seus gritos, o seu canto, entram nas consciências e despoletam a raiva, a revolta, o movimento espontâneo. O poeta não pode ser um mero animador da corte que diz umas coisas bonitas para sossegar os espíritos. O poeta deve unir-se a outros poetas, a outros espíritos livres, para, em conjunto, prosseguir a tarefa de desassossegar o mundo. O poeta só pode ser revolucionário, como diz Benjamin Péret. O poeta deve andar à solta, deve levar uma vida desprendida, não deve ter limites, deve pôr tudo em causa. O poeta deve ser imoderado, deve trazer em si os mistérios do mundo e, qual xamã, deve transmiti-los aos outros. O poeta deve ser um caminheiro dos céus, como dizia Henry Miller.

3 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

eu acho que este é um dos blogs do novo Henry Miller...


CSD

apedroribeiro disse...

ah, estou siderado.

Claudia Sousa Dias disse...

Só porque comentei o óbvio...

:-)


CSd