quarta-feira, 26 de novembro de 2008

A ANARQUIA VEIO TER COMIGO


A anarquia despertou em mim
às quatro da manhã num hotel da Suiça
a anarquia veio ter comigo
em conversas sobre a morte do pai
e a sida na ONU
a anarquia veio ter comigo
no meio dos bancos e das grandes fortunas
a anarquia veio ter comigo
et elle parle le français
a anarquia veio ter comigo
quando começava a sentir-me em baixo
a anarquia volta sempre
a anarquia veio ter comigo
com o cacau nos bolsos
a anarquia veio ter comigo
e fura-te as tripas
a anarquia veio ter comigo
e canso-me das tuas conversas
a anarquia veio ter comigo
e pôs-me outra vez em forma

A anarquia veio ter comigo
num café da Boavista
a anarquia veio ter comigo
no reggae do Bob Marley
a anarquia veio ter comigo
no sorriso do gerente
a anarquia veio ter comigo
no grito do velhote alucinado
a anarquia veio ter comigo
no dedo espetado do punk
na manif em Genebra
a anarquia está em todo o lado
a anarquia veio ter comigo
no discurso da mulher
que insulta o Sócrates
a anarquia veio ter comigo
nos autocarros que passam
a anarquia veio ter comigo
nas reuniões da família
a anarquia veio ter comigo
na empregada que coxeia
a anarquia veio ter comigo
há séculos que não bebo cerveja
a anarquia veio ter comigo
no avião que vomita
a anarquia veio ter comigo
e o velhote continua a falar só
a anarquia veio ter comigo
e o mundo mete dó
a anarquia veio ter comigo
e Deus sentou-se à minha mesa
pediu uma cerveja
comentou a loira que entra
foi-lhe dar um beijo no cu
rebentou com a confeitaria
a anarquia veio ter comigo
e já não há cafés como em Portugal
a anarquia veio ter comigo
e eu quero ir exibir-me ao Pinguim
a anarquia veio ter comigo
e ninguém abusa de mim
a anarquia veio ter comigo
e eu penso na minha mãe
a anarquia veio ter comigo
e o sangue volta a correr
e eu penso na gaja que não pára de falar
penso oferecer-lhe o poema
convidá-la para jantar
(bem sei que esta rima já não se usa
diz o Antero e com razão
mas é preciso ver
que a coisa vem do coração)
a anarquia veio ter comigo
na estátua do Freddy Mercury em Montreux
a anarquia veio ter comigo
e o amor também.

Genéve/Porto, 23.11.2008

3 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Hummmm...apaixonaste-te em Genebra...

...de onde saiu mais um poema espectacular!

Parabéns


CSd

apedroribeiro disse...

mas não foi por nenhuma gaja.

Claudia Sousa Dias disse...

Hummm...!

será que não?

;-)

CSd