quinta-feira, 19 de julho de 2007

AS CONVERSAS DO MUNDO

O poeta, à mesa,
ouve as conversas do mundo
se não fosse poeta
também as ouviria
mas não lhes daria
a mesma importância
porque as conversas do mundo
mesmo quando fúteis e ridículas
são a sua matéria-prima
e o poeta vive delas.

3 comentários:

O SILÊNCIO CULPADO disse...

Bem observado. Gostei.

NINHO DE CUCO disse...

É preciso que não deixemos morrer em nós a poesia e a nossa capacidade de ver as coisas sempre de forma diferente.

apedroribeiro disse...

obrigado.