quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

TÉDIO

Voltamos ao tédio. Afinal os gajos da SIC não pegaram em mim. Já não estou a subir. Mas também já subi de outras vezes e depois caí. Não posso voltar a cair. Voltamos ao tédio. Nada se passa. Eu disse o que tinha a dizer aos gajos. Fui honesto. Fui sincero. Fui um homem livre. Um príncipe das ideias. Um cavalheiro. Um senhor. E é isso que sou neste momento. O sucessor do Joaquim Castro Caldas. Um provocador. O último dos malditos.
Tenho uma missão. Só quando a cumprir estarei disponível para outras coisas. Mas os gajos foram ter comigo e depois não publicaram. E assim fica o "Apocalipse Now". Depois dos elogios, dos abraços, da festa fica o vazio. E lá estou eu a escrever diários. Nada mais do que diários. Regresso à Terra. Não cheguei a subir. Não cheguei a ser sublime. Não penetrei no mundo da media, do imediato. A candidatura à Presidência é apenas um pretexto para passar ideias, mensagens. As ideias que estão nos livros mas que os media não passam, não têm passado. As palavras que é preciso dizer. Agora. As palavras que vêm do coração. As palavras.

2 comentários:

Alterega disse...

Vês como o vazio está cheio?

apedroribeiro disse...

tens razão. Não sei que mais dizer. Tens razão.