segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

ORFEUZINHO


Não escrevo poesia tradicional
apesar de ter os meus cantos
e as minhas musas
o "Orfeuzinho" não tem relógio
e eu vejo-me à nora para saber as horas
esta coisa de vir para o café
escrever poesia
ainda causa estranheza aos empregados
e aos outros clientes
ainda não é coisa habitual
ser-se poeta de café
e ainda bem
se toda a gente começasse
a escrever poesia no café
onde iria isto parar?


A. Pedro Ribeiro, Porto, "Orfeuzinho", 2.2.2009

4 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Não estás em Paris, como sartre no seu tempo, nem em lisbos, como pessoa, apanhado em "flagrante delitro"...


:-)))


beijos


csd

Claudia Sousa Dias disse...

Errata: Lisboa e não "lisbos" que facilmente pode ser confundido com "lesbos".

afinal ainda não nos transformamos em Alceu e Safo...


:-)))

CSd

Claudia Sousa Dias disse...

desculpa, eu hoje estou com a língua particularmente afiada...


csd

Hugo Valter Moutinho disse...

O "Orfeuzinho" também já foi o meu café de eleição em tempos de juventude.
Já lá não vou há muito tempo... ;)