sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

ISTO DE VIR PARA A CONFEITARIA

Isto de vir para a confeitaria
escrever poesia
isto de vir para a confeitaria
passar as tardes de domingo
é uma forma de combater o tédio
o tédio que está por todo o lado
o tédio que não me larga
o tédio que vai dando cabo de mim

isto de vir para a confeitaria
escrever poesia
é uma forma de exercitar a criação
de criar a partir do nada
de sair daqui em triunfo
alegre a cantar na rua
mesmo sem estar bêbado

isto de vir para a confeitaria
escrever poesia
é uma espécie de enigma
nem eu sei explicar porquê
em casa não consigo escrever
aqui sou o poeta
o poeta que é tratado com delicadeza
o poeta com a sua grandeza
o poeta que não vai abaixo

isto de vir para a confeitaria
escrever poesia
tem muito que se lhe diga.

2 comentários:

Hugo Valter Moutinho disse...

Sendo assim, nunca deixes de ir à confeitaria...

apedroribeiro disse...

não, caro Hugo.