domingo, 14 de dezembro de 2008

AS PUTAS AO PODER


Olho triunfal para o vidro da confeitaria
e vejo os carros passar
as empregadas lavam a loiça e a roupa suja
como sempre o assunto
é o dinheiro e a falta dele
não me apetece pensar em dinheiro!
Apetece-me antes cavalgar a Bretanha
em busca do Santo Graal
apetece-me antes cortejar as damas bonitas
dar-lhes flores, poemas, diamantes
e claro sexo também
que isto de romantismos
tem os seus limites
não me apetece pensar em dinheiro
nem em coisas úteis
utilitarista que chegue já é o primeiro-ministro
esse cabrão cinzentão
sem coração
faz falta uma revolução como na Grécia
bancos pilhados
automóveis incendiados
faculdades ocupadas
ou nós ou eles!
Aqui o pessoal ainda não acordou
anda tudo à espera do Natal
talvez o menino Jesus vá ao cu ao Pai Natal
isto para não sermos pedófilos
se não dizíamos o verso ao contrário
ainda nos resta alguma moralidade
nada temos a ver com os cabrões
da Casa Pia
nem comemos criancinhas ao pequeno-almoço
nem ao almoço
nem ao jantar
também não somos gatunos
mas nada temos contra os ladrões de bancos
afinal de contas, os outros figurões
também andam a roubar
o Dias Loureiro, o Jardim Gonçalves,
o Teixeira Pinto
quem sabe se até o Cavaco
o mundo seria melhor sem presidentes
e sem governos
dos deputados nem se fala
esses quase nem põem lá os pés

as putas ao poder!
As putas ao poder
que os filhos já lá estão!
Vamos aí noite fora
convocar as putas da rua da Alegria à Trindade
organizar comícios e sovietes
o soviete da Alegria
o soviete da Trindade
e nos intervalos dá-se uma foda
estas, ao menos, não são difíceis
as putas ao poder!
Mobilizem-se também os bêbados e os mendigos
dê-se-lhes de comer e de beber
organizem-se banquetes pela cidade
estamos próximos da "República" de Platão
é claro que Platão era um defensor
da ética, da harmonia e da ordem
e nós não
nós só na etapa final
depois de passar o caos todo
depois de uns estrondos aqui e ali
é evidente que isto não é conversa para velhas
a juventude ouve-nos mais
talvez, por paradoxal que pareça, estejamos na moda
as velhas só falam de crimes hediondos com facas
coisas muito violentas para gajos pacíficos
como nós
tem piada que aos 20 e aos 30 poucos nos acompanhavam
e agora, aos 40, estamos na moda
tem piada que nunca liguei a essas merdas da moda
quando ia com as gajas às lojas de roupa
e elas me perguntavam qual era o vestido
ou a camisola de que gostava mais
eu dizia sempre o amarelo ou o vermelho
só para as satisfazer

pronto, a velha estragou tudo
agora fala de suícidios
lá se foi a boa disposição
lembro-me da Gotucha na Madeira
já não me liga desde que arranjou namorado
a rádio passa uma música melada
já não me apetece estudar alemão.

Vilar do Pinheiro, "Motina", 13.12.2008

2 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

a noite de poesia de amanhã promete!
nâo vou falhar.


CSD

imagemdosom disse...

Algumas já lá estão!