domingo, 13 de janeiro de 2008

AS MULHERES QUE QUERO


As mulheres que quero
são distantes inacessíveis
vivem em mundos
a que a minha palavra não chega

as mulheres que quero
estão para lá da minha magia
dançam à chuva
cobertas de ouro

e o meu canto jaz
preso no gelo.

4 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Excelente, para não variar!

Não te esqueças de me trazer um exemplar das tuas edições anteriores para eu comentar, quando vieres a Famalicão na Terça-feira!

Abraço


CSD

apedroribeiro disse...

obrigado, menina Cláudia.

Veg@ disse...

Ribeiro você transporta a magia dum eros errante neste poema, lindo e intenso.
5 estrelas...
seu amigo do Guarda Sol.

apedroribeiro disse...

obrigado, meu bom amigo.