sábado, 31 de março de 2007

A LOUCURA


LOUCURA

A loucura serve-se aos cálices
galopa na solidão
à espreita do próximo abrigo

A loucura estoira
num bar de cães
atira facadas
pela noite dentro

A loucura entontece
molda as palavras
torna-nos frágeis
e invencíveis

A loucura
não tem cura.


1 comentário:

Bufo disse...

Eu sempre me pergunto se o tão falado surto, seria falta da realidae como dizem ou escesso dela...