sexta-feira, 15 de setembro de 2006

Oh, Jim

ODE A JIM MORRISON
Morto a 3 de Julho de 1971 em Paris

António Pedro Ribeiro

Jim. Tu és a palavra certa. A pedra exacta. E eu devo mandar lixar tudo. Como tu, aos 27, em Paris. E é só rock n´roll e a gente gosta. E é só cacau e a gente gasta.
Merda para as convenções e para os patrões! Merda para o equilíbrio, para a normalidade, para a rotina. Liberdade! Liberdade, cor de mulher. Jim. Rimbaud. Rock is not dead. Até podem fazer macaquices na electrónica, provocar-me, ameaçar-me, internarem-me num hospícia, porem a polícia atrás de mim. Eu não cedo. Eu não vou morrer. Eu vou abusar sempre, António. Em busca do ritmo, da tribo, do palco. Eu nunca vou acabar. Eu sou o caos e a harmonia. A luz e as trevas. O rock e o roll.
Eu sou a merda que faço, a merda que me fazem. A estrela e o eclipse. A morte e a celebração. A ausência e a presença. A cerveja e o whisky. A união.
Eu sou a noite que alucina, o dia que principia. Eu sou este rapaz que traz a guerra e a paz...que faz a merda e o ouro...que parte o corpo e o copo...que leva o soco e dá a cara...que se mascara de santo...que sobe no canto...
Venho de anjos loucos, de reis malditos...
maldição em directo...fama...alma...palco...imagem...televisão...
E depois acabar como um mendigo, como um cristo ébrio aos pontapés pela rua...atrás da lua, enamorado dela...ninfa do mar nas rochas...iluminações...velas...tochas...andores...amores...flores...cores...coros celestiais...por mim dentro.

Vilar do Pinheiro, Setembro de 2006.

1 comentário:

Sónia disse...

C'um catano! Genial!