sábado, 11 de fevereiro de 2006

Cartoons de Maomet

A liberdade de expressão não pode ter limites, tal como qualquer liberdade.

11 comentários:

Rui Lage disse...

Sim, mas "cartoons" à parte, eu pergunto: e quando a tua liberdade anula a liberdade do outro? Quero dizer: e quando o exercício radical da tua liberdade compromete a radical liberdade do próximo? De resto, acho que devia haver uma ofensiva generalizada de "cartoons", por parte dos jornais ocidentais, contra os fundamentalistas do islão. Por mim, podem meter os profetas todos, sem excepção, naquele sítio que eu cá sei.

Jonas disse...

Quanto a mim, a liberdade de expressão pode e deve ter um certo limite, que cada um deveria saber qual é, senão é a desgraceira total. Por exemplo, a minha liberdade de expressão podia dar-me para cortar aqui a torto e a direito, nos moldes que eu bem entendesse; e depois? Andávamos todos à chapada?
Agora, esta liberdade de expressão só soa a excessiva porque do outro lado da barricada está gente excessiva que, essa sim, não tem limites para a sua liberdade de expressão - e veja-se no que dá. E é a tal desgraceira total... Na verdade, a meu ver, o que despoletou tudo isto foi uma simples cartoonada, pelos vistos fatal - e fatela - para muita gente - problema deles, não é? Não senhor, porque a seguir insistiu-se na piada (quem vai duas vezes À missa...) já fora de tempo e com pouco gosto. Cartoone-se à vontade, mas saiba-se (quando) cartoonar.

Mimi disse...

já o talento tem limites

pedro disse...

Viva Ribeiro

Jonas disse...

Liberdade de expressão? Sim, claro - e fico-me por aqui. Já ter limites tem talento.

apedroribeiro disse...

Continuo a dizer que a liberdade de expressão não pode ter limites, até porque senão teria de censurar muitas das coisas que escrevo.

Rui Lage disse...

Ribeiro, não te armes em vítima... Olha que tu não escreveste antes do 25 de Abril... Isso fica-te mal.

apedroribeiro disse...

ó Lage, eu até já fui censurado pelo café mais próximo de minha casa.

Mimi disse...

gostei do jogo, jonas. sinal de que as palavras são mesmo livres

Rui Lage disse...

Conta lá esse episódio, Pedro. De certeza que vale a pena ouvi-lo!

Mas não estarás a confundir actos de hostilidade, grosseria, ignorância, prepotência, intolerância, etc., com censura...? Sabes que aqui em casa há uma enorme colecção de cartas escritas por um jovem de vinte anos, fechado numa prisão imunda, num lugarejo em Moçambique, dirigidas à mãe, mulher sem maldade (e sem o filho) à espera numa recôndita aldeia de Trás-os-Montes, devassadas e carimbadas pela PIDE... É por isso que torço o nariz sempre que ouço falar em censura nos tempos que correm (embora admita que ela possa existir, disfarçada). Um abraço.

Rui Lage disse...

E viva o Ribeiro, claro.