sexta-feira, 30 de dezembro de 2005

Natal

Natal na rádio
rostos felizes na TV
roupas em resto de colecção
aceitam-se encomendas de bolo rei e de pão-de-ló

Batem as seis horas
e eu enlouqueço
no café "Doce Convívio"

De convívio já pouco resta
os meus amigos escrevem nos jornais
a branca de neve deprime-se na cama
e a máquina de costura portátil
devora sumos de laranja

Sou um poeta
nada mais do que isso
um poeta
que se comporta nos lugares públicos
apenas por convenção

E a maçã engole o Papa.

A. Pedro Ribeiro

3 comentários:

Rui Lage disse...

Mais um na "mouche", Ribeiro. Isto por aqui está cada vez melhor. Venha daí esse livro, carago!

apedroribeiro disse...

obrigado, rui.

Jonas disse...

Olá, Pedro. Gostei muito deste poema, posso mesmo dizer que curti largueto! Força aí, continuação de boa poesia e dias com sorrisos. Um xi-jonas